Estimar é uma atividade cotidiana, sistematicamente evitada por aqueles responsáveis pela sua execução. Na busca por superar isso, surge uma série de técnicas e ferramentas. No desespero por uma solução imediata, elas são adotadas independentemente de sua adequação.

COCOMOII, Simulação de Monte Carlo e Pontos de Função não substituem o analista responsável pela estimativa, que tem dificuldade em segregar uma estimativa técnica, um compromisso pessoal ou uma meta corporativa.

Publicação

Engenharia de Software Magazine | Ano I | Edição 12

Data

Abril / 2009

Autor

Carlos Eduardo Vazquez

Quero obter uma cópia do artigo

    Por que é importante

    Diferenciar entre esses diferentes atos e como se portar diante de cada um deles; destacar que simples cuidados podem ajudar a produzir estimativas de muito mais qualidade; apresentar como funciona uma série de ferramentas isoladamente e como as integrar no estabelecimento de um ambiente propício à melhoria contínua da qualidade das estimativas.

    Quando se aplica

    Quando o analista deve-se relacionar com seus clientes no sentido de fornecer a sua expectativa para prazo, custo, esforço ou escopo no desenvolvimento de software. Visa ajudar a esse analista a identificar os diferentes tipos de solicitação e evitar que ele caia em armadilhas que o leve a assumir compromissos inexeqüíveis. Adicionalmente, é útil também àquele profissional que trabalha na definição de processos de desenvolvimento e seleção de métodos e ferramentas para fins de melhorar o processo de estimativa de sua organização.