O que é o Guia de Contagem ou Roteiro de Métricas

Inicialmente, é importante destacar que, embora o Manual de Práticas de Contagem (CPM) do IFPUG forneça todas as definições, procedimentos e regras da contagem de pontos de função, ele as apresentada de maneira geral. Em seguida, vale ressaltar que ele não se propõe a entrar no mérito sobre o mapeamento de problemas de medição específicos. Diferentemente, por exemplo, do Roteiro de Métricas de Software do SISP (também chamado de Roteiro do SISP ou de Roteiro de Métricas do SISP) ou do Guia de Contagem de Pontos de Função do SISP para Projetos de Data Warehouse.

Por um lado, isto permite à APF ter aplicabilidade em uma ampla variedade de cenários e ser capaz de se posicionar como um padrão internacional. Por outro lado, isso dificulta a sua aplicação em casos distintos dos exemplos concretos no CPM. Portanto, o Guia de Contagem vem cumprir este papel de trazer os conceitos gerais do CPM para situações mais específicas.

O Guia de Contagem é também chamado de Roteiro de Métricas e se propõe a um âmbito mais restrito se comparado ao CPM. Ou seja, ele é de uso interno de uma empresa ou grupo. Outrossim, ele orienta o mapeamento dos requisitos para medições em pontos de função. Por fim, ele faz isso para dois principais propósitos:

  • Primeiro, derivar uma medição além da aplicabilidade da APF em projetos de desenvolvimento e melhoria.
  • Segundo, para obter uma melhor correlação entre a medição e o esforço investido ou desempenho esperado.

Para que serve o Guia de Contagem ou Roteiro de Métricas

Ele contém um conjunto de lições aprendidas em questões relativas às medições. Portanto, é um repositório de conhecimento das práticas de contagem, fruto de discussão e análise dos responsáveis pela medição de software.

As regras de medição do CPM são claras e objetivas. No entanto, o objeto da medição são os requisitos funcionais do usuário – a Visão do Usuário. O mapeamento das diferentes representações da Visão do Usuário para as funções componentes da medição não é tão objetivo assim. Portanto, o Guia de Contagem deve prover orientação facilitando esse mapeamento de forma mais clara e objetiva. Por fim, uma organização pode decidir medir  de forma diferente do IFPUG, ainda que baseada no seu padrão em linhas gerais. Por isso, o Guia de Contagem deve deixar essas particularidades explícita para todas as partes.

Objetivos do Guia de Contagem ou Roteiro de Métricas

São 05 os principais objetivos de um Guia de Contagem os Roteiro de Métricas:

  • Aumentar a consistência entre contagens
  • Centralizar a experiência da contagem em diferentes contextos
  • Evitar o retrabalho com a análise de questões recorrentes:
  • Facilitar o aculturamento de novos profissionais
  • Aumentar a convergência entre contagens e melhorar a comunicação

1. Aumentar a consistência entre contagens

Uma vez que o Guia de Contagem exemplifica as situações mais comuns nas medições, menor a chance de diferentes profissionais usarem interpretações distintas ao medir.

2. Centralizar a experiência da contagem em diferentes contextos

O contexto no qual o escopo da medição se insere é descrito em termos de diferentes:

  • Tecnologias: linguagens de programação e plataforma (BI, BPMS, GED, GIS etc.);
  • Domínios de aplicação: Sistemas financeiros, bancários, hospitalares etc.;
  • Metodologias de desenvolvimento: desenvolvimento Ágil usando o SCRUM, alguma customização do RUP ou o desenvolvimento em cascata.

Apesar do profissional ser experiente no uso da APF, é comum surgir dúvidas quando se depara com situações não usuais. Portanto, o Guia de Contagem deve centralizar este conhecimento. Um profissional experiente na APF, mas acostumado a medir em somente um contexto, será capaz de medir mais facilmente em contextos diversos.

3. Evitar o retrabalho com a análise de questões recorrentes:

Quando uma  determinada situação gera dúvida na medição, os responsáveis pela medição de software a analisa e decidem pela melhor forma de abordá-la. Portanto, o Guia de Contagem deve documentar a dúvida e a abordagem de solução.

O objetivo é evitar desperdício de tempo por todos os envolvidos em medições na analise de situações parecidas. Adicionalmente, isso diminui o risco do uso de uma abordagem diferente. Portanto, as medições ganham em agilidade e conformidade.

4. Facilitar o aculturamento de novos profissionais

O Guia de Contagem acelera o aprendizado de novos profissionais da organização que venham a se envolver com as medições pois já traz a resposta da maioria das dúvidas que um iniciante terá ao aplicar a técnica.

5. Aumentar a convergência entre contagens e melhorar a comunicação

Em um contrato de desenvolvimento de software, cujo desempenho é medido ou mesmo remunerado por PF, o Guia de Contagem ajuda a evitar muitas situações de divergência nas medições. Portanto, ele ajuda a melhorar a relação entre cliente e fornecedor.

Roteiro de Métricas de Software do SISP

A Administração Pública Federal usa a métrica de Ponto de Função (PF) como referência para medir e remunerar os contratos de serviços de desenvolvimento de sistemas. Portanto, o Roteiro de Métricas de Software do SISP é um dos mais completos Guias de Contagem além de estar no domínio público.

O CPM aborda, especificamente, as contagens em PF de projetos de desenvolvimento e melhoria de software. Entretanto, no dia a dia e, considerando um cenário de contratação de serviços de software, existem demandas por serviços não contemplados pelo CPM.

Nesse sentido, para atender esse cenário foi disponibilizado o Roteiro de Métricas de Software do SISP, atualmente na versão 2.3, com o objetivo de ser um guia complementar ao CPM trazendo a definição de regras de medição em PF para diversos serviços não contemplados pelo CPM.

Baixe o Roteiro de Métricas de Software do SISP

2018 2017 2015  2012 2010

Apresentações sobre o Roteiro de Métricas de Softwaredo SISP

Webinar- Roteiro de Métricas do SISP

Neste webinar explicamos detalhadamente sobre ele, a importância de se ter um guia local de métricas na contratação por ponto de função, diversos exemplos e dicas para sua utilização. Um guia local de métricas é aquele que oferece orientações e regras de contagem complementares ao que o IFPUG determina no seu manual de contagem (CPM). Abordarei: os pontos mais importantes do guia, explicado como aplicar e dando exemplos; como medir manutenções corretivas, adaptativas, cosméticas e não funcionais; como medir scripts de cargas; como medir por fases de desenvolvimento; como tratar múltiplas mídias (você sabe o que é?!) e muito mais;

Webinar – Desvendando o Roteiro de Métricas do SISP

O Roteiro de Métricas de Software do SISP é um guia local de contagem que oferece regras complementares as regras já definidas no CPM (Manual de Práticas de Contagem do IFPUG). Hoje em dia muitas empresas utilizam esse guia como base nas contratações em PF’s, então é muito importante saber utilizá-lo corretamente.