O que é o Guia de Contagem ou Roteiro de Métricas

Embora o Manual de Práticas de Contagem (CPM) do IFPUG forneça todas as definições e regras do processo de contagem de pontos de função, as orientações contidas nele são apresentadas de maneira geral como em todo o padrão e não entra no mérito específico sobre o mapeamento de problemas de medição específicos.

Isto é benéfico, senão necessário, no sentido de fazer com que a APF seja aplicada em uma variedade ampla de situações ao se posicionar como um padrão internacional. Por outro lado, dificulta para alguns a aplicação destes conceitos em situações específicas, especialmente quando distintas dos exemplos no CPM. Portanto o Guia de Contagem vem cumprir este papel de trazer os conceitos gerais do manual do IFPUG para situações específicas de uma organização.

O Guia de Contagem, também chamado de Roteiro de Métricas é um documento de uso interno e específico a uma organização, que orienta as medições feitas em pontos de função em projetos de software.

Sua característica é de ter um enfoque bem específico das situações que a organização
vive na medição de software. Ele contém um conjunto de lições aprendidas em questões relativas às medições. É um repositório de conhecimento das práticas de contagem, fruto de discussão e análise dos profissionais da organização.

Também para as situações onde as regras do IFPUG não estão suficientemente claras ou objetivas, o Guia de Contagem irá tratar a situação de forma objetiva e clara. E por fim,
há situações onde uma organização pode decidir tratar de forma diferente do IFPUG uma medição, neste caso isto deve estar explícito para todos os envolvidos, e o Guia é o local apropriado para tanto.

Objetivos do Guia de Contagem ou Roteiro de Métricas

  • Aumentar a consistência entre contagens feitas por diferentes profissionais: Uma vez que as situações mais comuns nas medições da organização são exemplificadas no Guia de Contagem, menor a chance de profissionais diferentes usarem interpretações distintas nas medições.
  • Centralizar a experiência da contagem envolvendo diferentes tecnologias e domínios de problema (ex.: sistemas em mainframe, múltiplas camadas, workflow, business intelligence, batch, etc): Mesmo para profissionais experientes no uso da APF, quando estes deparam-se com situações não usuais, é comum o surgimento de dúvidas. Com o Guia de Contagem centralizando este conhecimento, um profissional experiente na APF, mas acostumado a medir somente sistemas de determinado tipo (por exemplo: mainframe), será capaz de medir facilmente sistemas de natureza distinta (exemplo: business intelligence).
  • Evitar o retrabalho com a análise de questões recorrentes: Uma vez que determinada situação tenha gerado dúvida na medição, esta é analisada e decide-se qual a melhor forma de abordá-la. Esta dúvida e a abordagem adotada são documentadas no Guia de Contagem para que todos envolvidos em medições não precisem gastar tempo analisando situações parecidas e nem correndo o risco de decidirem por uma abordagem diferente da adotada previamente. As medições passam a ocorrer de forma mais rápida.
  • Facilitar o aculturamento de novos profissionais responsáveis por contar pontos de função: O Guia de Contagem acelera o aprendizado de novos profissionais da organização que venham a se envolver com as medições pois já traz a resposta da maioria das dúvidas que um iniciante terá ao aplicar a técnica.
  • Aumentar a convergência entre contagens e melhorar a comunicação entre cliente e fornecedor: Em um contrato de desenvolvimento e manutenção de software remunerado por PF, o Guia de Contagem ajuda a evitar muitas situações de divergência nas medições de ambas as partes, ajudando assim a melhorar a relação entre cliente e fornecedor.

Roteiro de Métricas de Software do SISP

Um dos mais completos Guias de Contagem é o Roteiro de Métricas de Software do SISP. Na Administração Pública Federal, a métrica Ponto de Função (PF) é usada como referência para medir e remunerar os contratos de serviços de desenvolvimento e manutenção de sistemas firmados entre instituições públicas e empresas prestadoras desse tipo de serviço.

A principal referência sobre a métrica PF e seu processo de contagem é o Manual de Práticas de Contagem (CPM), atualmente na versão 4.3.1, publicado e mantido pelo International Function Point Users Group (IFPUG). O CPM aborda, especificamente, as contagens em PF de projetos de desenvolvimento e melhoria de software. Entretanto, no dia a dia de um órgão e, considerando um cenário de contratação de serviços de software, existem demandas por serviços não contemplados pelo CPM. Nesse sentido, para atender esse cenário foi disponibilizado o Roteiro de Métricas de Software do SISP, atualmente na versão 2.3, com o objetivo de ser um guia complementar ao CPM trazendo a definição de regras de medição em PF para diversos serviços não contemplados pelo CPM.

Baixe aqui a edição de 2018

Baixe aqui a edição de 2015

Baixe aqui a edição de 2012

Baixe aqui a edição de 2010